terça-feira, 15 de junho de 2010

A menina dos meus pesadelos.

Certo dia estava eu andando de um lado para o outro em uma praça de alimentação, quando de repente, deparei-me com uma estranha criatura. Melhor dizendo, uma menina, porém bem estranha. Quando a olhei dos pés a cabeça, senti um impulso de risos, fortes risos. Um dos meus grandiosos problemas é isso... Quando vejo algo engraçado, mal consigo disfarçar. Abro minha boca e dou muuuuuitas gargalhadas exageradas.
Bom, voltando ao assunto... Eu me aproximei daquela menina e quando a olhei mais de perto, soltei diversas gargalhadas. Vou descrever essa menina: Ela era alta e magra, feito um bambu. Tinha uma espinha enorme no rosto, parecia mais uma bolinha de gude acabada, depois de ser usada por várias crianças.
A menina me olhou e sorriu. Seus dentes estavam todos enferrujados...rsrsrsrs... Pelo menos pareciam estar, de tão preto que estavam!
Quando ela me deu um OI, eu saltei no meu lugar, de puro pavor, nem consegui disfarçar!
- Desculpe-me. - disse eu, tentando disfarçar. - Hoje estou muito distraído. - e soltei uma gargalhada inesperada.
- Do que você está rindo garoto? - perguntou ela, severa.
- De nada! Hoje estou muito feliz.
- Ah, bom! Pensei que estava rindo de mim.
- Jamais iria ir de uma linda mulher.
Quando eu disse isso, estava apenas tentando ser gentil, apenas isso. Porque uma vez meu tio, Charles, me disse que devemos ser sempre gentis com as mulheres, independentemente da beleza exterior. E foi isso que eu fiz, ao lembrar-me de seus conselhos.
- Nossa, como você é gentil. Adorei você. Melhor dizendo, amei você. - disse ela, abraçando-me e me beijando na boca, ardentemente.
Larguei aquela menina assim que pude e sai correndo pela praça, desesperado. Seu beijo tinha um gosto horrível, pior que a aparência de seus dentes. Ela saiu correndo atrás de mim, gritando que me amava. Nesse dia virei alvo de piadas e risadinhas de todos que ali estavam. O único jeito de me livrar foi entrando no banheiro masculino e me trancando.
Nunca mais ouvi conselho do meu tio. E resolvi nunca mais ser gentil com ninguém. Acabei entrando numa fria, melhor, num rio congeladíssimo.
Realmente, eu provei dessa bendita frase: "Quem ri por último, ri melhor"

7 comentários:

  1. Bem, eu tenho um conselho que sempre digo para os mais novos:

    "Para se amar uma mulher é preciso que pelo menos um dos seus dois sorrisos seja bonito."

    Se você não entendeu, meu rapaz, não se preocupe, um dia vai cair a ficha e você vai pensar consigo mesmo "então era isso o que ele quis dizer com dois sorrisos!".

    Talvez a menina estranha tivesse um lindo segundo sorriso. Mas talvez você não estivesse olhando para ela do ângulo correto.

    E para melhorar o ditado do seu tio:

    "O segundo sorriso é o melhor."

    Quanto ao blog, grande mudança, heim. Que soltem os leões da sua mente!

    ResponderExcluir
  2. *-*

    Tem selinho pra vc no meu blog..

    Beijos meus.
    Patrícia Oliveira

    http://momentosdapathy.blogspot.com/2011/05/100-seguidores.html

    ResponderExcluir
  3. Tem selinho pra vc no meu Blog (:

    Beijoos!!

    http://pathyoliver.blogspot.com/2011/06/selinho-comemorativo-400-seguidores.html

    ResponderExcluir
  4. Tem selinho pra vc no meu Blog (:

    Beijoos!!

    http://momentosdapathy.blogspot.com/2011/06/200-seguidores.html

    ResponderExcluir
  5. Tem selinho pra vc no meu Blog (:

    Beijoos!!

    http://pathyoliver.blogspot.com/2011/06/500-seguidores-yupiiii.html

    ResponderExcluir
  6. O Blog "Pieces Of Me'
    chegou aos seus 400 seguidores,
    e tem o prazer de te prestigiar com
    um selinho lindo!!

    Beijos,
    e obrigada pela presença no meu cantinho..

    o selinho esta no link :http://momentosdapathy.blogspot.com/2011/11/400-seguidores.html

    ResponderExcluir
  7. Hoje é domingo e estou passando para deixar o meu abraço e a minha alegria a você.
    Que Deus te ilumine a semana que se aproxima.
    Nossa amizade é mais ou menos assim...

    Poema do amigo aprendiz
    Quero ser o teu amigo. Nem demais e nem de menos.
    Nem tão longe e nem tão perto.
    Na medida mais precisa que eu puder.
    Mas amar-te sem medida e ficar na tua vida,
    Da maneira mais discreta que eu souber.
    Sem tirar-te a liberdade, sem jamais te sufocar.
    Sem forçar tua vontade.
    Sem falar, quando for hora de calar.
    E sem calar, quando for hora de falar.
    Nem ausente, nem presente por demais.
    Simplesmente, calmamente, ser-te paz.
    É bonito ser amigo, mas confesso é tão difícil aprender!
    E por isso eu te suplico paciência.
    Vou encher este teu rosto de lembranças,
    Dá-me tempo, de acertar nossas distâncias...
    Pe. Zezinho SCJ.
    Com muito Carinho,
    Sandra

    ResponderExcluir